quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Diego Armando Maradona - El Dios

É uma lenda porque: Ele está para o povo argentino, o que Zeus era para os gregos.

Na Argentina criaram uma religião em seu nome, a "Igreja Maradoniana". No sul da Italia, virou santo e desbancou o patrono San Gennaro, e se tornou o santo "vigente" da cidade de Nápoles, fazendo os habitantes da região deixar de torcer para sua pátria, para apoiarem a Argentina durante a Copa de 1990. Conquistou o mundo, vôou alto até o céu e em seguida despencou desgraçadamente aos confins do inferno. Assim é a lenda de Don Diego Maradona.

O menino humilde que sonhava em jogar como seu idolo Roberto Rivellino, com 10 anos mostrava um talento sem idade nos "Cebollitas", nome dado às categorias de base do Argentinos Juniors. De lá para o Boca Juniors, seu time do coração, em seguida ao Barcelona da Espanha, onde se envolveu em inúmeras polêmicas e brigas tanto dentro quanto fora de campo, e de lá para ao Napoli da Itália, o time que ele sozinho transformou em potência na época.

Maradona trouxe luz à sombria e fria cidade ao sul Italia. Seus habitantes aprenderam a sorrir, crianças e cães usavam perucas similares ao seus cabelos. A estátua de Dante tinha uma bola aos seus pés e vestia uma camisa 10 azul celeste. Fez o humilde Napoli sobrepujar os gigantes Milan, Internazzionale e Juventus.

Nesse periodo, a conturbada Copa de 86 apresentou seu auge, e fez com que o mundo entendesse o porque de tanta idolatria, tanto da Argentina quanto napolitana. Ele fez de tudo, desde driblar um time inteiro de adversários, protagonizando o mais belo gol da história da Copas, até gol com a mão. Foi não apenas o lider, mas o principal responsável pelo segundo titulo Mundial da Argentina conquistado naquele ano, recebndo a alcunha de até então, "o 2º jogador a ganhar uma Copa sozinho" (o 1º havia sido Garrincha pelo Brasil, em 1962).

No seu retorno à Nápoles, titulos e mais titulos foram aumentando sua imagem de novo patrono da cidade. Em agradecimento, os habitantes da cidade se negaram a torcer pela seleção da Italia, anfitriã da Copa de 90, para torcerem exclusivamente para a seleção de seu Messias. A derrota da Argentina na final desse ano, foi sentida por todos os cidadões napolitanos.

Porém um dia, sua cota de confusões na cidade chegou a um nivel insustentavel,  e San Maradona cometeu o erro de declarar que queria ir embora. Torcedores faziam vigilias na porte de sua residência, bustos e imagens suas eram levantadas, e bonecos de cera espetados com alfinetes. Jogando muito tempo contra sua vontade, e com atritos com a máfia local, o herói subitamente se transformou em vilão com o escândalo da cocaina.

Com sua imagem arranhada, nunca mais se estabeleceu em nenhuma equipe, nem mesmo em seu querido Boca Juniors. Na sua melhor tentativa de ressurgir, durante a Copa de 94, novos problemas com drogas, completou a transformação do gênio em mais um mero mortal.

Muitos anos se passaram, sua anteriormente arranhada imagem conseguiu a comoção se milhares com seus problemas com drogas, e consagraram-o definitivamente como mito do futebol. E agora reeastabelicido, em sua nova fase, Diego busca um outro nivel de imortalidade.

Para os Argentinos e Napolitanos, ele sempre será "El D10S". Para o mundo, ficará a questão: "Sem seus problemas, o quão mais longe ele poderia chegar?"


Frases sobre ele:

- "No frígido futebol do fim do Século, que exige ganhar e proíbe divertir-se, este homem é um dos poucos que demonstra que a fantasia também pode ser eficaz." - Armando Nogueira

6 comentários:

  1. Gênio.

    Mas acho que poderia ir até mais longe ainda,senão fosse os problemas com drogas,indisciplina e afins...

    ResponderExcluir
  2. Como jogador, fantástico. Como profissional, um exemplo de como as coisas NÃO devem ser feitas.
    É um cara carismático e cativa as pessoas por onde passa, o que, muitas vezes, faz com que esqueçam do que ele já fez, de bom e de ruim.

    ResponderExcluir
  3. Não acho que no napole jogou sozinho. O Careca foi um enorme centro avante lá tambem.

    Monstro na copa de 86 e 90, e na de 94 foi aquela vergonha que conhecemos. Infelizmente, a cocaina foi o maior marcador do craque. Uma pena.

    Mas ainda acho o maior jogador argentino Di Stefano e nao Maradonna

    ResponderExcluir
  4. O melhor de todos os tempos.
    Dribles desconcertantes, exímio batedor de faltas aliada a garra argentina e a liderança dentro de campo fazem dele o melhor, pra pará-lo só com faltas.

    D10S

    ResponderExcluir
  5. Com certeza um mito argentino envolto de todo um aparato paradoxal: um exemplo dentro de campo e a aberração fora dele. Diego é craque da cabeça à perna esquerda.

    Na minha opinião foi um grande jogador em um momento de transição do futebol.

    Não tenho certeza se foi melhor que Di Stéfano, mas posso afirmar que nunca se aproximou de Pelé.

    ResponderExcluir